Término do desafio 101 coisas

Eis que chegou ao fim mais um projeto 101 coisas em 1001 dias (iniciado em 01/04/2015 e término em 27/12/2017). Acho que é a terceira vez que faço esse projeto e logicamente, sempre fracasso, não executando 50% do prometido na lista. O mais interessante desse projeto não é cumprir os itens da lista, mas refletir sobre as nossas decisões, sobre o quanto somos procrastinadores e sobre o quanto ruins somos em traçar objetivos.

A cada versão das 101 coisas, eu aprendo algo. E revendo todos os itens da minha lista, eu aprendi que objetivos muito grandes ao mesmo tempo resultam em zero porcento de aproveitamento. É o vulgo, querer fazer tudo e acabar não fazendo nada. Mas, Morena… isso é óbvio, né? Será que é tão óbvio assim? Será que você aí não está buscando objetivos demais na vida e não dando conta? Será que é por isso que entramos e saímos dos anos com o sentimento de “não fiz nada esse ano”?

Mas enfim, vamos ao meu balanço do projeto! Eu dividi a lista em 12 partes: Saúde & Beleza ♥  Carreira & Estudo ♥  Aquisições ♥ viagens  ♥ Pessoal ♥  Família ♥ Cozinha ♥  Casa ♥ Arte & Cultura ♥ Vida Online ♥  Projetos ♥ Outros. 

  1. Saúde E Beleza (5/10)50% das metas cumpridas. Poderia ser melhor, mas as principais coisas foram realizadas, como tirar os sisos, fazer check-up e atualizar minha carteira de vacinação.
  2. Carreira e estudo (2/12)17% das metas cumpridas. Acho que foi o pior de todos! Nada do que eu me propus a fazer, eu realmente fiz. E as duas que fiz, foram meia boca.
  3. Aquisições (4/8)50% das metas cumpridas. Me desinteressei por algumas coisas, mudei os planos em outras. Mas, não me arrependi das coisas que comprei!
  4. Viagens (3/6)50% das metas cumpridas. Foi nesse item que percebi que colocar muitos objetivos grandes não resultam em nada. Mas, consegui conhecer alguns lugares que planejei e o melhor: fui para o Canadá!!
  5. Pessoal (9/12)75% das metas cumpridas. Opa! Esse foi muito bom! Cumpri quase tudo.
  6. Família (0/3)0% das metas cumpridas. Apenas não tenho o que falar. Fiasco totaaal.
  7. Cozinha (1/5)20% das metas cumpridas. Foi por pura procrastinação. Falta de vergonha na cara mesmo. tsc tsc tsc.
  8. Casa (2/5) – 40% das metas cumpridas. Muitas coisas dependem de dinheiro e não são prioridades. Daí, miaram.
  9. Arte & Cultura (5/14) – 36% das metas cumpridas. Muitas coisas aleatórias e procrastinação mesmo. Algumas não eram reais interesses.
  10. Vida online (2/4) – 50% das metas cumpridas. As únicas metas não cumpridas foram as do blog.
  11. Projetos (3/9) – 33% das metas cumpridas. Eram coisas bobas, mas que foi indo, foi indo… iu!
  12. Outros (6/13) – 46% das metas cumpridas. Triste resultado também.

Resultado geral: (42/101) – 41,6% dos itens cumpridos. 

Mais um fiasco e isso quer dizer o que???? QUE VOU FAZER DE NOVO! Rsrsrsrs. E para variar, vou colocar a lista aqui no blog e continuar tentando cumprir o máximo que puder. 🙂

Anúncios

Sobre vida, metas e realizações

Todo ano é a mesma coisa: janeiro começa como um caderno em branco e com a maioria de nós fazendo planos para escrevê-lo da melhor forma possível. Só que muitas vezes esquecemos esse caderno em algum canto e só o procuramos quando as primeiras luzes de Natal começam a ofuscar nossos olhos. E aí vem a pergunta: o que fiz da minha vida nesses quase 365 dias? 

Eu posso responder essa pergunta de duas formas: pela razão e pela emoção. Se eu for considerar todas as coisas que eu fiz esse ano, podemos dizer que fui muito bem, obrigada! Viajei e conheci alguns lugares legais, comecei projetos interessantes e tal. Mas, se for considerar o lado emocional, foi um ano bem ruim. A maior parte do tempo, eu passei me esforçando para não ficar desanimada com as coisas. E isso é um desgaste físico muito grande. Um lado do seu cérebro quer que você fique no cantinho, deitada em posição fetal. O outro lado dele, fica mandando você fazer as coisas e não entrar na reclusão. E que coisa difícil, hein? Mas, foi graças a essa força de vontade do lado mais resiliente do meu cérebro, que eu fiz bastante coisa. Não foram aquelas metas que estabeleci lá no começo do ano, mas foram realizações. E só consegui enxergar-las depois que comecei o hábito de anotar todas as coisas interessantes que fiz. Vou fazer um post só sobre isso, mas somente esse ano conseguir mensurar meus feitos. E agora, em dezembro, ao voltar lá na minha listinha do começo do ano, enxerguei que a vida não é engessada. Então, por que que as minhas metas teriam que ser?

Então, se você está nessa fase de não-fiz-nada-nesse-ano-meu-deus, pare por um momento, e liste todas as coisas legais que você fez, desde as mais pequenas até as que você considera grandes feitos. E vai ver que o ano foi feito de momentos incríveis e que o próximo poderá ser melhor do que qualquer tópico perdido em uma lista que nem foi elaborada tão bem assim.